Emoção + razão = Inteligência Emocional

Emocao razao Inteligencia EmocionalSou professora e conheço alunos brilhantes, capazes de aprender e dominar um assunto com facilidade. Mas, estes mesmos alunos, brilhantes intelectualmente, podem perder o equilíbrio emocional de um momento para outro, as vezes por uma brincadeira de mal gosto ou porque foi contrariado em seu desejo. Isto ocorre porque as emoções seguem uma lógica diferente da razão. As emoções são como gatilhos prontos para disparar diante do perigo, e o fazem sem que possamos ter tempo de pensar.

A questão então está no que consideramos perigo. Descobri, através da auto-observação, que considerava perigo toda situação em que eu me sentisse invadida. Quando sentia meu direito desrespeitado a raiva surgia automaticamente me transformado em uma fera irracional, e acabava por pensar e dizer coisas de que me arrependeria em pouco tempo. Assim perdi amizades e oportunidades por causa de minhas emoções descontroladas.

Venho há alguns anos aprendendo e treinando o domínio de meus gatilhos emocionais. Obtive bons resultados ao transformar a energia da raiva em determinação. Para alcançar resultados estudei sobre as emoções e os padrões mentais que as desencadeiam. Identifiquei situações em que o gatilho emocional destrutivo era disparado e, com a ajuda terapêutica, transformei a maneira de lidar com situações conflituosas, poupando energia e tempo para usar na construção de meus projetos de vida. Em outros casos, quando ainda me sinto sem força para transformar o padrão mental evito a situação. Lidar inteligentemente com nossas emoções é uma questão de estudo e treino, a medida que me dedico mais avanço. Em meu livro Saúde Emocional explico como as emoções podem gerar doenças e curá-las.

Inteligência emocional é um conceito do psicólogo Daniel Goleman. Ele considera uma pessoa emocionalmente inteligente quando esta desenvolveu as as seguintes habilidades: autoconhecimento e controle emocional; automotivação; empatia e capacidade para estabelecer bons relacionamentos.

Escrito por Silvana Medeiros